Pés descalços - Ivan Bittencourt Jr.



Livro: Pés Descalços
Autor: Ivan Bittencourt Jr
ISBN-13: 9789895126200
ISBN-10: 9895126204
Ano: 2015 / Páginas: 257
Idioma: português 
Editora: Chiado Editora
Nota: ★★★

Naquela cidade de grandes luzes e enormes prédio encontra Ana, Julia e Bernardo, uma família que necessita descalçar-se de toda a tecnologia, orgulho, tristezas e desesperanças que tiram a alegria de viver.

Entre esses encontros e desencontros durante o caos alegre que toda uma geração gritou nos quatro cantos do país, o momento mais recente que marcará nossa história, quando todos foram para a rua descalços de tudo que os separavam para: unindo-se por uma mesma causa lutar por mudanças em uma sociedade corrupta e egoísta; Leonardo vai gritando junto e muito mais que isso ele vai falando sobre fé, esperança, música e amor.

O gigante acordou, o amor despertou!

O mais estranho, de nós, seres humanos é que passamos a vida toda querendo realizar alguns sonhos e quando finalmente conseguimos temos muito medo. - pág. 11 

Léo se muda para a "cidade grande" para estudar após sofrer uma tragédia em sua vida.

Em sua nova casa, ele se depara com uma família despedaçada pela perda do pai e decide que não ficará de braços cruzados. Ele fará de tudo para reunir novamente aquela família, ensinando-lhes o poder do perdão e do amor.

O que ele não esperava, era que lhes ajudando, ele também seria curado. Léo encontrará o amor, mesmo tentando escondê-lo.

...Hoje em dia as pessoas desperdiçam o eu te amo com tantas coisas fúteis, com tantas pessoas que não são realmente amadas. O amor virou objeto, passou a ser mensurável somente se for recíproco. - pág. 37

Recebi Pés Descalços em parceria com o Ivan e confesso que demorei mais do que gostaria para lê-lo.

O livro nos passa uma mensagem muito linda. Ele é repleto de fé, superação e esperança.

No decorrer da trama, nos deparamos com várias frases prontas, de motivação e reflexão, citadas por Léo em seus diálogos ou pensamentos com seus botões. Em certos momentos, me senti em uma sessão de terapia com minha psicóloga.


Se uma coisa não te fez bem no passado, no presente e no futuro é que ela não deve estar - pág. 194 

A expressão pés descalços é extremamente presente. São várias situações em que ela aparece, mas no final, quer nos passar a mesma mensagem: Pés descalços significa despir-se de todo medo, raiva, insegurança e ter fé. 

Esse livro nos leva a uma viagem interior, mostrando como priorizamos coisas vãs ao invés de momentos e pessoas.

Um história de auto-superação, perdão e humildade, que nos faz parar para pensar em como podemos ser melhores.  

Para fechar essa resenha com chave de ouro, que tal conferir a entrevista que fizemos com o autor?


- Oi Ivan. Ao ler o livro, percebemos que ele tem uma carga emocional muito grande. Quais motivos lhe levaram a escrevê-lo? Os motivos realmente são bem fortes. Na verdade eu tenho uma preocupação muito forte aqui comigo sobre o que a nossa geração tem valorizado e se importado sabe, eu vejo todos os dias meninos e meninas perderem as vidas em bobagens, e toda essa carga emocional que eu guardo aqui querendo falar desses princípios que se perderam vieram à tona em meu primeiro livro. Então resumindo o motivo principal foi desabafar um pouco através de uma história que se encaixaria perfeitamente nos nossos dias de hoje. 


- Com qual dos personagens você mais se identifica e por que? Eu me identifico mais com o Bernardo. Um menino mais na "sua" que não interage tanto, e que isso pode até ser fruto de uma dificuldade ou por pura timidez. Mas ao mesmo tempo o Bernardo traz pra história algumas conclusões que a gente não esperava dele, assim como comigo, muita gente talvez não esperasse que de mim viesse alguma coisa que "se pudesse ler", mas estamos aí né...rsrsr


- O livro nos faz refletir sobre nossas prioridades e atitudes. Era essa sua intenção ao escrevê-lo? Com plena certeza. Eu queria que as pessoas se sentissem dentro da história em alguma parte pelo menos e graças a Deus isso tem acontecido e por incrível que parece, às vezes eu tenho que me beliscar pra acreditar, eu recebo algumas cartas ou mensagens nas minhas redes sociais de pessoas que tiveram a vida mudada de alguma forma por refletir na história do livro Pés Descalços.


-Agora vamos falar um pouco sobre você. Nos conte sobre sua vida. Quais são os seu autores e livros preferidos? Onde nasceu? Quem te apoiou durante o trajeto de escrita e publicação do livro? Bem, eu sou aquele típico garoto quieto e sonhador sabem? Nunca fui o mais legal da sala ou coisa do tipo, mas sempre fui muito de correr atrás dos meus sonhos e os meus amigos sempre me procuram pra pedir conselhos. Eu realmente acredito no amor sabe, meu sonho sempre foi conhecer a minha "menina" e nos casarmos e vivermos felizes pra sempre, e ainda acredito nisso, mas descobri que nesse caminho existem dificuldades que devem ser vencidas e eu quero encorajar outras pessoas pra que também não desistam. Sou gaúcho, tenho 25 anos e sou formado em Gestão de Pessoas, gosto de música clássica, Colbie Caillat e Jack Jhonson. Sou cristão e isso é a melhor coisa pra mim. Meu autor preferido é o poeta Pablo Neruda, por que seus poemas carregam uma carga emocional muito forte e meus livros preferidos além dos do Pablo são, Amor sem Escalas, Dom Quixote, O diário de uma Paixão, Discípulo radical e o diário de Bridget Jones.


- Para encerrar, está trabalhando em algum projeto atualmente? O que você pode nos contar para aguçar nossa curiosidade? Sim, na verdade ele já foi finalizado e foi pra impressão esse mês. É o meu novo livro, um romance um pouco mais adolescente e não tanto "emocional" como pés Descalços. Na verdade é mais parecido com os livros do Jonh Green. Ele se chama "Hey, Panda, vamos fugir?" e será lançado em Agosto na Bienal do Livro de São Paulo. 
Conta a história, que muitos de nós passamos hoje em dia, que é a de se apaixonar por uma "foto" de alguém no facebook, e a partir daí as aventuras pra viver esse amor de verão. Vocês vão gostar!

Nenhum comentário

Postar um comentário